Se tudo ocorrer como o planejamento, a retorno a total normalidade na vida cotidiana deve acontecer em até meados de 2022. Pelo menos é o que prevê o atual diretor executivo da farmacêutica Pfizer, Albert Bourla.

Segundo o jornal Gazeta do Povo, o diretor afirmou ainda que a vacinação contra o coronavírus deverá ser algo rotineiro nas próximos anos, como acontece, por exemplo, com a vacina contra a gripe.

Segundo Bourlos, a vacinação constante será necessária por causa das inúmeras variantes da doença que surgiram e ainda surgirão.

Atualmente, apenas a vacina da Pfizer tem autorização total dos órgãos reguladores norte-americanos, enquanto as outras contam apenas com autorização de emergência.